banner revest pedras marmores e granitos
  • Divulgação | Prefeitura de Campo Grande

Feira Central reúne documentos para torná-la patrimônio histórico nacional


A (Associação da Feira Central e Turística de Campo Grande (Afecetur) lançou oficialmente no domingo (17) o projeto Contando a Nossa História da Feira Central. A abertura do evento contou com a presença do prefeito Marquinhos Trad e do secretário municipal de Relações Institucionais (Segov), Antonio César Lacerda.

(Foto: Diogo Gonçalves / PMCG)

A presidente da Associação da Feira Central e Turística de Campo Grande (Afecetur), Alvira Appel Soares de Melo, ressalta que para contar a história da Feira Central como Patrimônio Cultural Imaterial Brasileiro é preciso ter a participação da população.

“Desta forma, a população está convidada a comparecer a Feira Central de Campo Grande e participar dessa história levando fotos, objetos, recortes de jornais que registram os mais de 90 anos de história da Feira Central”, diz Alvira.

O prefeito Marquinhos Trad, na condição de cidadão campo-grandense, deixou seu recado gravado para produção de um vídeo documentário e destacou a importância da Feira Central no cenário regional e nacional.

“É impossível passar por Campo Grande e não conhecer a Feira Central. Isso é o mesmo que ir ao Rio de Janeiro e não conhecer o Estádio do Maracanã. Frequento este local desde criança e aqui tive a oportunidade de conhecer muitas histórias, num local que em breve será patrimônio nacional”, disse Marquinhos.

Acelino Nakasato frenquenta a Feira Central desde 1956, quando tinha cinco anos de idade. Para ele, contar a história da Feira Central não é tão difícil, uma vez que seu pai comercializava frutas e verduras. “Transformar a Feira Central como Patrimônio Cultural Imaterial da União será um orgulho para todos nós”, finaliza Acelino.

#relax #Turismo

8 visualizações
galeria meia sete.png