top of page

Fora da Curva: Por que os relacionamentos gays não duram?

Várias são as opiniões que tentam explicar os motivos pelos quais as relações gays não duram, vou tentar discorrer sobre elas e nelas infelizmente tenho que excluir as demais letras da comunidade LGBTQIA+, já que perco lugar de fala.


Porém não perco lugar de fala para analisar e criticar os heteronormativos, já que eles tem hegemonia quando se trata de modelo de relacionamentos e faz-se necessária essa análise já que copiamos esse modelo.


Gays se perdem em meio a tantas opções, com aplicativos que dão acesso a sexo muito fácil e rápido com uma quantidade muito variada de opções, rolês, redes sociais, círculos de amizades, etc, que potencializam as possibilidades, deixando aqueles que namoram com uma sensação de sempre estar perdendo por estar vinculado a alguém de forma exclusiva.



Outra explicação que já ouvi é a de que não existem prendimentos nas relações gays, como existe nas heteronormativas, onde existe mistura de patrimônios, filhos surgem dessa relação e mexem com um turbilhão de sentimentos e noções de obrigações morais, o juramento de “na saúde e na doença, na alegria e na tristeza”.


Uma diferença relevante é sobre a tendência das relações heteronormativas serem desproporcionalmente mais violentas e abusivas, o que também ocorre com os gays, porém, em proporções menores, já que é muito tendencioso à liquidez, a trocar por outros.


O modelo tradicional conservador não vem sendo suficiente, precisamos dialogar sobre novos formatos de relacionamento, sendo monogâmico ou não, frisando que os modelos de relações não se resumem a caracterização como mono ou poligâmico!


Então podemos dizer que os gays possuem vantagens e desvantagens quanto ao desprendimento, sendo na maior parte das vezes motivado a estar com alguém pura e simplesmente pelo afeto que tem dentro das relações: pode existir vantagem em não ter prendimentos materiais ou morais, sendo menos difícil se livrar de relações de baixa qualidade ou de relação onde não existe mais afetos e interesses em comum.


A desvantagem é que essa liquidez pode tornar as pessoas menos capazes de lidar com os sentimentos, menos diálogos e enfrentamentos, resultando na incapacidade de solucionar problemas dentro das relações. Pulando de relação em relação, não duradouras e não proveitosas no quesito autoconhecimento e amadurecimento.


Outras possibilidades chamam atenção quando se tratam de dois homens, como a incapacidade de lidar com os sentimentos, já que socialmente o homem tem restrições impostas desde muito cedo para evitar expor os sentimentos, não se mostrar vulnerável, não chorar, não ser “fraco”, etc.


Essa incapacidade de lidar com os sentimentos é predominante no gênero masculino, validado pela máxima comum de que o homem amadurece muito mais tarde que as mulheres (quando chega a amadurecer).


Assim, unem-se dois homens que repeliram a vida toda as conversas e enfrentamentos de seus sentimentos e que de repente entram em um turbilhão de sentimentos conjugados.

Por outro lado, ainda que existam inúmeras hipóteses que tentam se mostrar capazes de dizer a verdade, há que se questionar se ter relações duradouras é o saudável dentro do universo subjetivo de cada um, com seus predicados e individualidades.


Há que se considerar a possibilidade de viver sozinho e ter qualidade de vida.

Há que se questionar essa necessidade de ter o “para sempre”.


Outra questão importante é: Se os relacionamentos que não duram períodos longos devem ser visto de uma forma negativa ou prejudicial, já que um relacionamento pode durar o tempo suficiente para se esgotar dentro de suas possibilidades e dentro de um lapso de tempo suficiente para proporcionar as vivências.


Muitos aspectos devem ser questionados dentro da subjetividade. Não se encontram respostas que são aplicáveis à coletividade, mas apenas que ousam se aproximar de causas genéricas e que não podem se limitar à sexualidade, mas também considerar questões psicológicas, históricas, sociais.


Dr. G

8 comentários

Posts recentes

Ver tudo

8 Comments


Felipe Martins
Felipe Martins
Feb 25, 2022

O que eu mais gostei do texto foi justamente as nuances que ele traz sobre o tema. Realmente os relacionamentos gays (G) são mais líquidos, pq diferentemente dos heteronormativos, não existem vínculos jurídicos e sociais estabelecidos que fazem o relacionamento durar para além da sua vida útil de "puro amor e sentimento". Assim como o texto frisou muito bem, existem vantagens e desvantagens, o que também ocorre nos relacionamentos hts. O texto frisou muito bem as diferenças entre os tipos de relacionamentos: é importante comparar sempre com essas diferenças em vista. O que é mais legal em todo o texto são os questionamentos, as reflexões, ao invés de ser um daqueles textos que simplesmente dizem: relacionamentos gays são fadados ao…

Like

São muitas, pra mim, as questões nesse sentido. Visto, é de se notar que a liquidez amorosa também são dos heterossexuais, está intrusivo em inúmeras formas de relações. É um momento contemporâneo onde a ideia de laço já se mudou, além da ideia de independência do outro.


A questão que entra, pra mim, é que, a classe LGBTQIA+, em um todo, é privada de se assumir e tem o desejo negado logo na infância. A infância, momento dos primeiros amores, ato importante para a construção da psiquê, foge de nós, LGBTQIA+, por não estar nesse padrão normativo.


Não que as relações homossexuais durem menos, mas as experiencias que são negadas, causando essa espécie de jogo, um esconde esconde do desejo.


Like
Replying to

Sim, é um assunto que pode ser muito mais aprofundado, em especial quando se tratam das castrações que sofremos desde muito cedo e as consequências disso. Obrigado, que ótimo ler um comentário seu aqui Febraro, fico feliz, admiro muito seu trabalho, parabéns pelo lançamento do livro mais recente e pelos outros dois!

Like

Guilherme Fortes
Guilherme Fortes
Feb 24, 2022

Concordo com o texto. Acredito também que tudo é uma adaptação do casal. A partir do momento que eles enxergam isso juntos, conseguem um melhor convívio matrimonial.

Like
Replying to

diálogo <3

Like

josias balberde
josias balberde
Feb 24, 2022

Por ser um homem gay de preferências monogamicas, venho me adaptando a ideia de viver comigo mesmo (e algumas vozes na minha cabeça; já outro assunto) por enxergar uma quase impossibilidade de plenitude conjugal. O futuro não é conjunto, é solo, muito por conta de onde a tecnologia está nos levando.

Texto necessário.

Like
Replying to

Sozinho vc nunca vai estar 🤗

Like
Artes Livia  (Story)-3.png

 ÚLTIMAS NOTÍCIAS:  #EUsouMS Entrevista: Descubra arte com a Galeria MEIA SETE

#EUsouMS POSTS-4.png
bottom of page