top of page

Fora da Curva: Sobre as inseguranças geradas pelo preconceito

Quando se é uma criança gay há uma sensação de que algo está errado, mas não é uma sensação passageira, ela é uma constante, e logo você entende que o errado é você perante a visão da sociedade.


O ente religioso diz claramente que o inferno te espera, os heteros dizem o tempo todo o nojo que sentem ao verem demonstrações homoafetivas e a sociedade observa mortes decorrentes de assassinatos e suicídios e não evolui em sua legislação inclusiva e protetiva, confirmando a vontade popular de criar espaços de exclusão para aquilo que se considera diferente.


Logo que se entende que estar na posição de “errado” é uma condição, procura-se várias compensações, o bom filho, o melhor aluno ou mais comportado, o mais bonito, o mais atraente, o mais eficiente no serviço... é exaustivo.


A sexualidade vira uma competição de si contra si mesmo para sempre se tornar alguém melhor em uma espera constante de que as pessoas percebam e aceitem para fugir da rejeição e da violência.


Parece difícil para as pessoas separarem, mas não somos apenas uma sexualidade. Em fato, as pessoas não deveriam se incomodar com quem o outro se deita, isso costuma ser algo íntimo.

E não é possível que as demonstrações de carinho em público sejam tão incomodas ao ponto de não ser possível de ser observado como as demais pessoas ditas “normais” são livres para exercer e receber.


Ainda sobre essa busca exaustiva de ser alguém “bom” para ser aceito socialmente, precisamos chamar atenção para o fato de que a definição do que é considerado bom pela sociedade é um consenso estabelecido pela grande maioria, muitas vezes por líderes religiosos, portanto, existem grupos sociais que definirão o que é considerado bom.

Ter consciência e refletir que há um consenso social sobre o que é considerado bom é fundamental para observarmos que não ser bom é melhor.


Digo isso no sentido de ultrapassar o que se é esperado pelo social.

Ser melhor é conseguir ser e estar dentro dos próprios gostos, predicados e não estar mais satisfazendo as demandas alheias.


Tudo que me é alheio não me pertence. Há uma constante nesse sentimento de despertencimento e desamparo que pode ser mitigada pela sensação de alívio quando se deixa de exercer as vontades sociais e religiosas.

0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


Artes Livia  (Story)-3.png

 ÚLTIMAS NOTÍCIAS:  #EUsouMS Entrevista: Descubra arte com a Galeria MEIA SETE

#EUsouMS POSTS-4.png
bottom of page